Eu realmente achava que conseguiria passar por todos aqueles relacionamentos sem sentir nada. E por um tempo ate consegui. Beijos maquinados, pensados, analisados. Relacionamentos baseados no tédio de mim mesmo. Uma desesperada tentativa de ir passando os dias, tentando sentir algo além daquela sensação de desconforto. Na parada de ônibus, contando os minutos para estar sozinho comigo mesmo. Analisando quando os beijos deixaram de ser interessante. Quando eu parei de querer conhece-la melhor. Desculpe-me querida, mas você não é para mim. A culpa não é sua, eu ate gostaria de ter me conectado com você, de algum forma. Eu juro que tentei, nas últimas semanas. Mas nada aconteceu. E você definitivamente merece algo melhor do que esse desajustado sentimental. Mas aí eu conheci ela. E acho que exatamente por ela não me querer, é que estou assim. Sou mesmo um fudido, tentando apenas encontrar o caminho para casa. Para o doce lar dos sentimentos superficiais.
(Acriando)

Sobre Paolla Saraiva

"Encontrar a liberdade onde menos se espera... No fundo do tinteiro... Na ponta de uma pena" (Marquês de Sade) Ver todos os artigos de Paolla Saraiva

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: